quarta-feira, 26 de junho de 2019

HR registra 41 acidentes com fogos nas fogueiras no São João


Número de crianças atendidas é mais que o dobro do registrado no mesmo período de 2018.  / Foto: Jailton Junior/TV Jornal

Foto: Jailton Junior/TV Jornal
JC Online

O Hospital da Restauração divulgou, nesta quarta-feira (26), um balanço parcial de queimados do São João. No período entre os dias 12 e 25 de junho, 41 pessoas foram atendidas e 20 foram internadas. Destes atendimentos, 23 são de crianças, número maior que o do ano passado. Em 2018, o HR registrou 76 atendimento, sendo 11 à crianças queimadas durante as festas juninas. No próximo fim de semana, haverá ainda as festividades de São Pedro, que também fazem parte do período junino. Ao fim das festas, o Hospital deve divulgar os números finais. 


O balanço informou ainda que 18 adultos foram vítimas de queimaduras por fogos ou fogueiras e, entre os queimados, duas crianças e três adultos perderam dedos de forma total ou parcial. 
Também em 2018, o Hospital da Restauração registrou 76 atendimentos a casos de queimaduras por fogos ou fogueiras. Entretanto, o período contou com a Copa do Mundo, além das festas de São João e São Pedro. 

“Estou muito preocupado pelo seguinte ponto: se compararmos ao São João passado, que teve também a Copa do Mundo, além do São Pedro, houve, sim, uma grande quantidade de uso de fogos de artifícios. Mas, comparando com 2017, tivemos 55 casos de queimaduras em todo o período junino, com 20 internações. Este ano ainda vai haver a festa de São Pedro e já estamos em 41 casos, com 20 internações. É preocupante”, explicou Marcos Barreto, chefe do setor de queimados do HR. 

Acendimento de fogueiras 

Marcos Barreto destacou ainda que o acendimento de fogueiras e a utilização de fogos explosivos também tem levado muitas pessoas ao setor de queimados do Hospital da Restauração, quase sempre pacientes adultos. “O acendimento de fogueiras tem trazido pacientes com queimaduras por combustível, adultos que se acidentam desta forma. Tem também a brincadeira junto das fogueiras, as vezes até pessoas embriagadas. A orientação é procurar evitar estar junto da fogueira ou utilizar fogos explosivos se tiver ingerido bebida alcoólica”, alertou, lembrando também que crianças só devem brincar com fogos de artifícios sob a supervisão de um adulto.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Homem sobrevive a facada no olho e é atendido com a arma ainda no crânio em MS: 'Caso raro', diz médico

Homem é socorrido após ter faca cravado no olho, em Dourados. — Foto: Sidnei Bronka/Reprodução

Raio-x mostra a faca cravada no olho de vítima encontrada em carro em Dourados (MS). O homem sobreviveu ao ataque — Foto: TV Morena/Reprodução
Foto: TV Morena/Reprodução

homem encontrado dentro do carro com uma faca cravada no olho neste domingo (23), em Dourados, região sul do estado segue internado em estado grave. De acordo com o médico do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), Renato Vidigal, o caso é grave:
"É raro de se ver na medicina. A faca transfixou todo o crânio do paciente e atingiu o cérebro, pegou massa cerebral." Segundo o médico, antes do Samu chegar, alguém tentou retirar a faca do crânio da vítima, o que pode ter agravado o estado de saúde dele
De acordo com a polícia, a vítima identificada como Moisés de Oliveira, de 38 anos, dava partida no carro em uma rua do bairro Estrela Tovi quando foi atacado. O delegado Rodolfo Daltro conta que Moisés estava saindo com o veículo, momento em que o agressor chegou até a janela e atacou-o cravando a faca no olho.
A reportagem conversou por telefone com a esposa da vítima que disse estar muito abalada. A Polícia Civil procura o suspeito. O estado do paciente é grave e ele continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Vida em Dourados. Por G1 MS — Campo Grande

Adolescentes matam colega e filmam sequência de tortura

Vítima foi torturada, esfaqueada e espancada antes de ser afogada na água do mar. Foto: Cortesia
Vítima foi torturada, esfaqueada e espancada antes de ser afogada na água do mar. Foto: Cortesia
Duas adolescentes foram apreendidas em flagrante na manhã desta terça-feira (25) depois de torturarem, esfaquearem, espancarem e afogarem uma colega na praia do Pontal de Maria Farinha, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. O assassinato foi todo filmado e o vídeo, de teor muito forte, circula pelas redes sociais.
A vítima, também adolescente, aparece ensanguentada na beira da praia e não tem forças para reagir às várias pancadas no rosto dadas por uma das envolvidas. Ela, que ainda não foi identificada pela polícia, veste uma farda da Rede Pública de Ensino do Recife.
Enquanto chora e apela para que a deixem ir embora, a garota é segurada pelos cabelos, xingada e acusada de namorar um homem casado. Em seguida, ela, que também foi esfaqueada na região do pescoço e da nuca, é arrastada para dentro do mar, onde é mantida embaixo d’água até perder os sentidos. No vídeo, é possível ouvir a pessoa que filma incitando as agressões: “Tá com pena? Afoga ela!”, diz a adolescente.
No fim da gravação, quando a vítima é arrastada já desfalecida de volta para a areia da praia, uma testemunha aparece e começa a gritar com as suspeitas, questionando se foram elas que fizeram aquilo, ao que elas respondem dizendo que a adolescente morreu por conta de uma suposta traição. Pouco antes de o vídeo ser encerrado, a pessoa que presenciou a cena diz que as responsáveis não vão sair do local e pede para que alguém chame a polícia. A vítima é então retirada do local para ser socorrida, mas já estava sem vida.
As envolvidas foram levadas à Delegacia do Janga, mas de lá seguiram para outra unidade da Polícia Civil, onde estão sendo ouvidas. O corpo da adolescente assassinada foi recolhido e levado ao Instituto de Medicina Legal do Recife. No local, foi feita uma perícia preliminar.
De acordo com o delegado Augusto Cunha, que esteve no local, o corpo apresentava vários ferimentos e sinais de afogamento, mas somente o laudo tanatoscópico vai definir a causa da morte. A adolescente também apresentava cortes na mão, que podem ter ocorrido quando ela tentava se defender das agressões.
Por conta do teor extremamente violento do vídeo e por respeito à família da vítima, o OP9 não vai divulgar as imagens. Fonte OP9

Bolsonaro decide revogar decreto das armas


O governo publicou três novos decretos que tratam do assunto / Foto: Marcos Corrêa/PR
O governo publicou três novos decretos que tratam do assunto
Foto: Marcos Corrêa/PR
ABr
JC
O presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e decidiu revogar nesta terça-feira (25) o decreto editado em maio para regulamentar regras de aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de munições e armas de fogo no país. Uma edição extra do Diário Oficial da União (DOU), publicada há pouco, traz a revogação da medida, que havia sido editada no dia 7 de maio e retificada no dia 21 do mesmo mês. 

Revogação no Senado

No último dia 18, o plenário do Senado aprovou a revogação do decreto presidencial. Por 47 votos a 28, os senadores aprovaram um Projeto de Decreto Legislativo, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e de outros senadores, que susta os efeitos da flexibilização do porte e da posse de armas. A maioria dos senadores argumentou que a alteração das regras para o acesso a armas por meio de decreto era inconstitucional e deveria ser feita por projeto de lei.
O decreto ainda seria examinado pelo plenário da Câmara dos Deputados e pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que analisaria eventuais inconstitucionalidades na norma em sessão prevista para esta quarta-feira (26).

Pela manhã, o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, havia dito que o governo não revogaria o decreto e que aguardaria o desfecho da tramitação da medida no Congresso Nacional antes de adotar alternativas.  
Além de revogar o decreto, o governo publicou na mesma edição extra do Diário Oficial três novos decretos que tratam do assunto. Também foi enviado um projeto de lei do governo que modifica o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003).
Os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Jorge Oliveira (Secretaria Geral) foram pessoalmente ao Congresso Nacional entregar o novo projeto de lei e anunciar a revogação do decreto e edição de novas regras. Eles ainda devem conceder uma entrevista à imprensa para detalhar as modificações.