quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Queda de avião com sete mortos em Piracicaba: o que se sabe e o que falta saber

 

Avião caiu em Piracicaba (SP) na manhã de terça-feira (14) — Foto: PAULO RICARDO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Sete pessoas morreram após um avião cair na manhã da terça-feira (14), em Piracicaba (SP). A queda ocorreu em uma área de mata no bairro Santa Rosa, logo após a aeronave partir do aeroporto da cidade com destino ao Pará.

No avião estavam o empresário Celso Silveira Mello Filho e sua família, além de piloto e copiloto. O caso será investigado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB).

Veja quem são as vítimas:

  • Celso Silveira Mello Filho, 73 anos
  • Maria Luiza Meneghel, 71 anos
  • Celso Meneghel Silveira Mello, 46 anos
  • Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin, 48 anos
  • Fernando Meneghel Silveira Mello, 46 anos
  • Piloto: Celso Elias Carloni, 39 anos
  • Copiloto: Giovani Dedini Gullo, 24 anos

    Entenda o que ocorreu ponto a ponto

    • O empresário Celso Silveira Mello Filho, sua esposa, três filhos, piloto e copiloto partiram pouco antes das 9h do Aeroporto de Piracicaba. A viagem teria como destino o Pará, para uma fazenda da família, onde passariam uma semana.
    • O avião caiu 15 segundos após a decolagem, em uma área de mata próxima à Faculdade de Tecnologia (Fatec) da cidade.
    • O Corpo de Bombeiros foi acionado e no local encontrou as sete vítimas já mortas, carbonizadas.
    • O Cenipa e a Polícia Civil foram acionados para realizar as investigações sobre a causa do acidente.
    • No local, equipes localizaram a caixa preta do avião, onde o histórico de voo é armazenado, que será analisada.
    • Destroços do avião também foram recolhidos para a apuração do Cenipa.
    • De acordo com a FAB, a documentação e manutenção da aeronave estavam em dia. O avião foi fabricado em 2019 e é considerado de alta versatilidade por especialista.
    • A última manutenção foi realizada em 23 de agosto. O retorno da oficina ocorreu na segunda-feira (13).
    • Quase seis horas após o acidente, os destroços começaram a ser retirados do local.
    • Os corpos passaram por exame no Instituto Médico Legal (IML) e a família será velada nesta quarta-feira (15), a partir das 9h.

      O que falta saber

      • A causa do acidente ainda não foi esclarecida. A Polícia Civil e o Cenipa não divulgaram detalhes sobre o início das investigações, apenas que foram realizadas perícias, coletas de imagens e informações e que serão ouvidas testemunhas.
      • Ainda não foi esclarecido porque a aeronave caiu apesar de ser considerada nova por especialista (foi fabricada em 2019), ter passado por manutenção recente e estar com a documentação em ordem.
      • Falta esclarecer, também, o movimento de curva que a aeronave fez logo após decolar e foi destacado pela maioria das testemunhas e flagrado por câmeras de segurança. Autoridades não souberam informar se o piloto tentava retornar ao aeroporto.
      • Também não há explicações oficiais para o fato da queda ter ocorrido 15 segundos após a decolagem, abastecida e revisada dias antes. Do G1

Petrobras culpa estados por valor da gasolina nas alturas

 

Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Com o preço médio da gasolina em alta nas últimas seis semanas, o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, afastou a responsabilidade da empresa pelo valor de mais de R$ 6 que vem sendo cobrado dos consumidores. Na esteira do que tem dito o presidente Jair Bolsonaro, o comandante da estatal culpou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), arrecadado pelos estados, pelo combustível mais caro.“A Petrobras não tem controle de preço sobre a bomba”, disse.


Convocado pela Câmara dos Deputados a prestar esclarecimentos sobre o preço dos combustíveis, ontem, Silva e Luna não agradou aos parlamentares. Em vez de dar explicações sobre porque o preço da gasolina foi reajustado nove vezes pela estatal apenas neste ano, ele repetiu diversas vezes que a Petrobras responde por 34% do valor final da gasolina — apenas R$ 2 dos R$ 6 —, e que é preciso ajuda dos governadores para evitar que o preço do combustível continue crescendo.

“A segunda parte, a do preço, corresponde a uma série de tributos e a outros termos da equação. A distribuição e revenda, o custo da mistura do etanol anidro, impostos estaduais, ICMS, e impostos federais, Cide, PIS, Cofins. Desses impostos aqui, eles estão na cadeia, o que afeta, porque acaba impactando todos os outros, é exatamente o ICMS”, ponderou o presidente da Petrobras.

“Qualquer termo que seja modificado, modifica a equação inteira. Necessariamente, quando há uma flutuação nos preços, não significa que a Petrobras teve alteração no preço do seu combustível, é um efeito que acontece em cascata e gera alguma volatilidade no preço do combustível. A Petrobras é responsável por parcela do preço dos combustíveis e tem total consciência disso. Ela é responsável pela parcela inicial, exatamente daquilo que é combustível propriamente dito”, completou Silva e Luna.

Durante a sessão, ele ouviu críticas à política adotada pela Petrobras para definir o valor dos combustíveis na refinaria. A chamada política de paridade internacional (PPI) faz com que o valor dos derivados de petróleo acompanhe as cotações do mercado internacional e o valor do dólar. Silva e Luna reconheceu que “um dólar forte torna as commodities mais caras”, mas afirmou que a empresa “não repassa de imediato” essa volatilidade aos consumidores. Além disso, não se mostrou disposto a abrir mão da PPI.

“A Petrobras não faz avaliação de política econômica, não lhe cabe. Apenas contribui com dividendos para o Estado de modo que possa ser utilizado da forma que bem lhe aprouver. A Petrobras é uma sociedade de economia mista sujeita a uma rigorosa governança. Não há espaço para qualquer tipo de aventura dentro da empresa, não há”, disse Silva e Luna.

Cobranças

Deputados criticaram a política de preços da Petrobras. “A política de paridade diz que a Petrobras não pode ter um preço que seja menor do que o das importadoras de petróleo. É prejudicar milhões de brasileiras e brasileiros para valorizar essas empresas privadas”, afirmou Glauber Braga (PSol-RJ).

“É a partir da Petrobras que os preços dos combustíveis começam a subir em cascata no Brasil. É preciso, urgente, pensarmos uma política de precificação que seja salutar para Petrobras, seus acionistas, mas que não seja danosa para os brasileiros”, reforçou Lucas Vergílio (Solidariedade-GO).

Para alguns parlamentares, o presidente da estatal erra em jogar a culpa para o ICMS. “Seria por demais simplista atribuir o elevado preço de combustíveis no Brasil apenas jogando a responsabilidade no ICMS. Em 2011, a gasolina custava R$ 2,90, e a carga tributária era a mesma dos dias atuais”, ponderou Edio Lopes (PL-RR).

Presidente do BC critica repasse acelerado

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, criticou a Petrobras por repassar os reajustes do petróleo aos preços dos combustíveis de forma muito mais acelerada do que o observado no restante do mundo. “O mecanismo de passar esse preço de commodities para o preço interno, no Brasil, é um pouco mais rápido. A Petrobras, por exemplo, passa preços muito mais rápido do que em grande parte de outros países”, disse ele, durante evento promovido pelo BTG Pactual Digital.Diário de PE

terça-feira, 14 de setembro de 2021

Menino de 1 ano e 5 meses morre após ser baleado por primo de 11 anos por acidente, diz polícia

 

Caso foi registrado por equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) — Foto: Reprodução/TV Globo

Um menino de 1 ano e 5 meses morreu após ser atingido por uma munição de chumbinho no Sítio dos Pintos, na Zona Norte do Recife, na segunda-feira (13). Ele foi socorrido, mas não resistiu ao ferimento. O delegado Sérgio Ricardo não gravou entrevista, mas afirmou  que um primo de 11 anos foi o responsável pelo disparo, tratado como acidente.

O garoto de 11 anos, acompanhado de outro primo de 13 anos, pegou uma carabina de pressão comprada pelo pai, que estava guardada em um quarto fechado, no primeiro andar da casa, segundo a investigação. A polícia apontou que esse tipo de arma pode ser vendido.

Os três garotos estavam brincando na rua, por volta das 16h, quando houve o disparo apontado como acidental, segundo o delegado. A polícia investiga ao menos três versões de como o tiro acabou atingindo menino o mais novo.Na primeira, a hipótese é de que o primo de 11 anos levantou a carabina e ela disparou, acertando o bebê. Uma outra versão é de que ele teria perguntado se a arma estaria carregada ou funcionando e, acreditando que não estava, teria apertado o gatilho. A terceira hipótese é de que ele apertou o gatilho para ouvir o estampido e assustar os outros.

O menino baleado foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Canxagá, de onde foi transferido para o Hospital da Restauração, no bairro do Derby. Segundo a comunicação do HR, ele deu entrada às 17h50 e morreu às 23h20.

O caso foi registrado pela Força Tarefa de Homicídio e Proteção à Pessoa. O delegado apontou que o pai do garoto de 11 anos foi à delegacia, mas não ficou detido. O garoto que teria feito disparo só deve ser ouvido depois, com acompanhamento especial. G1 PE

Quatro estados brasileiros registram casos da Síndrome de Haff, a doença da urina preta

Foto: Reprodução/Pixabay

 Ao menos quatro estados brasileiros têm registros de casos da Síndrome de Haff, popularmente conhecida como doença da urina preta. A maioria dos casos etá concentrada no Amazonas (61), mas Bahia (13), Ceará (9) e Pará (6) também registraram diagnósticos positivos. Na cidade de Itacoatiara (AM), uma mulher de 51 anos faleceu.


De acordo com o Ministério da Saúde, a Doença de Haff é causada por uma toxina que pode ser encontrada em peixes como tambaqui, badejo, arabaiana ou em crustáceos, como lagosta, lagostim e camarão. Entre os sintomas estão urina com coloração escura, provoca dores musculares, falta de ar e insuficiência renal, que podem aparecer entre 2h e 24h após o consumo.


A veterinária deu entrada no hospital no dia 17 de fevereiro após comer um peixe da espécie arabaiana, durante um almoço na casa da irmã. Cinco horas depois, os primeiros sintomas começaram a aparecer. Ela informou a mãe ela ligou e durante a conversa, segundo Betânia, a filha começou a gritar pedindo socorro e relatando dores nos músculos. Em seguida ela teria caído no chão.Diário de PE