terça-feira, 19 de junho de 2018

Sem pagamento das contas de luz, lotéricas estimam prejuízo de R$ 1,5 milhão ao erário


De acordo com a gerente de relações institucionais da Celpe, Érica Ferreira, a renovação de contrato com a Caixa poderia gerar um impacto na tarifa cobrada ao consumidor / Foto: André Nery/Acervo JC Imagem

Da Editoria de Economia

A inviabilização do pagamento das contas da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) nas casas lotéricas do Estado, além de dificuldades para os consumidores, tem gerado uma perda estimada em R$ 1,5 milhão aos cofres públicos em arrecadação de impostos, segundo levantamento do Sindicato dos Lotéricos de Pernambuco (Selepe). Ontem, uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado (Alepe) discutiu com representantes da Celpe, Selepe, Procon, OAB e Adeccon os reflexos do impasse criado entre a Celpe e a Caixa.


Desde 1º de maio, as contas só podem ser pagas de forma presencial na rede própria da Celpe e em correspondentes bancários. Isso porque a Caixa, responsável pelas lotéricas, aumentou a taxa cobrada à Celpe pelo serviço em mais de 70%, de R$ 0,81 para R$ 1,40. “Os clientes estão sofrendo pela precariedade dos locais de pagamento. Nas autorizadas, a Celpe só repassa R$ 0,36 centavos por conta paga. Tínhamos 2.200 pontos de pagamento na rede lotérica. Vinte por cento do faturamento foi perdido sem as contas de luz, e as perdas financeiras também são da União e do Estado, que deixam de arrecadar pelo menos R$ 1,5 milhão de ISS e do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS)”, diz a presidente do Selepe, Telma Cristina da Silva.

De acordo com a gerente de relações institucionais da Celpe, Érica Ferreira, a renovação de contrato com a Caixa poderia gerar um impacto na tarifa cobrada ao consumidor. Como as negociações foram encerradas em março, o foco da companhia é cumprir um plano de expansão da rede própria. “Não temos como assumir o custo. Junto com correspondentes bancários, temos 1.500 pontos de atendimento. A meta é crescer 20 unidades por mês. Até julho, queremos estar com 800 pontos próprios”, diz.

Novas discussões

O deputado federal Betinho Gomes (PSDB-PE), que sugeriu a audiência, espera uma outra discussão no dia 3 de julho, em Brasília, antes de tentar entrar na Justiça com uma ação popular. Na Alepe, segundo o deputado estadual Edilson Silva (PSOL), governo do Estado e Ministério Público serão convocados para audiência em agosto.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

TABIRA: CRIA ASSOCIAÇÃO PARA CUIDAR DOS ANIMAIS

A  ASSOCIAÇÃO AMIGOS DOS ANIMAIS DE TABIRA-PE – A.A.A.T., é uma associação de proteção animal que vai atuar na cidade de Tabira, no sertão de Pernambuco.
A missão é defender e garantir os direitos dos animais domésticos, principalmente cães, gatos, aves e equinos, através de campanhas educativas para a conscientização da sociedade, pois acredita ser estes os animais mais próximos ao homem e, portanto, mais diretamente ligados à crueldade humana. Além disso, a luta por políticas públicas que protejam sua integridade física/emocional e garantam o seu direito à vida.
O Congresso acontece no dia 07 de Julho às 11h00 da manhã no Auditório  da Secretaria Municipal de Educação de Tabira. A Associação convoca todas as Associações defensora dos animais à participar do evento.
O projeto é idealizado por Diana Queiroz e esta sendo envolvido vários municípios, e varias ONGs, e já conta com as presenças confirmadas de São Jose do Egito, Afogados da Ingazeira e Carnaíba
.Por Cauê Rodrigues

Operação erradica mais de 265 mil pés de maconha no Sertão


Também foram destruídos 126 plantios e 131 mil mudas da maconha / Foto: Divulgação/Polícia Federal
Foto: Divulgação/Polícia Federal
JC Online

Mais de 265 mil pés de maconha foram erradicados durante uma operação realizada pela Polícia Federal (PF) com o apoio operacional da Polícia Militar por meio da Secretaria de Defesa Social (SDS) e Corpo de Bombeiros. Segundo a PF, foram apreendidos 195 kg de maconha pronta para o consumo.
A ‘Operação Macambira II’ foi realizada entre os dias 04 e 15 de junho em nove cidades sertanejas:  Orocó, Cabrobó, Belém do São Francisco, Santa Maria da Boa Vista, Salgueiro, Carnaubeira da Penha, Serra Talhada, Betânia e Floresta.
Além da maconha apreendida, também foi destruído 126 plantios e 131 mil mudas da planta. De acordo com a PF, as plantações foram identificadas em algumas ilhas do Rio São Francisco e em áreas de caatinga.Foto: Divulgação/Polícia Federal

Foto: Divulgação/Polícia FederalFoto: Divulgação/Polícia Federal
Mais de 94 policiais participaram da ação. Foram feitas incursões terrestres, aéreas e fluviais. A Polícia Federal, após as investigações e identificação das áreas de plantio, conseguiu evitar que 88 toneladas da droga prensada fossem produzidas.
Na ação, foi utilizada uma aeronave do Grupo Tático Aéreo (GTA) da SDS, e duas aeronaves da Coordenação de Aviação Operacional da Polícia Federal (CAOP), além de botes infláveis e ambulância do Corpo de Bombeiros.
Com a erradicação, a PF espera que o índice de violência gerado pelo tráfico diminua no em Pernambuco.

sábado, 16 de junho de 2018

Enfrentar seus medos é melhor do que oprimi-los, diz estudo


 Segundo estudo, ativação dos neurônios ligados a uma memória amedrontadora ajuda a superar o medo
Frente à lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los.
Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado na revista Science aponta que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o final da vida. Casos mais extremos, como de estresse pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.
Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.
Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a serem exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, a auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.Por Veja